12/01/2020

Por dentro do console: Conheçam o Xbox One S... EXY ;)

A ideia original era já chegar com um "big S"  (paranomásia ou trocadilho fonético que significa "popozão" em inglês), então não reclamem do título porque poderia ser ainda pior!


Tudo começou em Dezembro de 2017, quando eu ainda trabalhava como programador Java na Lyra Network (tempos maravilhosos). Naquele período, comprei um Xbox One modelo FAT do meu ex-chefe e amigo Gabriel Sousa. No dia 12 do mesmo mês, tive uma grande surpresa, bem em cima do meu armário, assim que entrei na sala onde trabalhava:

Ah, Lyra Network... Passei anos incríveis trabalhando por lá.
Na época eu tinha um Super Nintendo (com todos os seus cartuchos jogados e "rejogados" por mim) e um Nintendo Wii. Passei momentos incríveis com o último: terminei novamente The Legend of Zelda: Ocarina of Time; fui para outros título da franquia, como Majora's Mask e Wind Waker; zerei No More Heroes 1 e 2; joguei Wii Sports alucinadamente e ainda, para a minha surpresa, fiquei viciado no Resident Evil 4: Wii Edition. Os controles do Wii foram muito bem adaptados às mecânicas do jogo, que eu fiz questão de zerar em todos os modos possíveis, inclusive no Professional, e com um total de ZERO mortes (acabei perdendo as fotos do meu feito, podem me sacanear):

A sensação de jogar Resident Evil 4 utilizando a combinação de Wii Remote + Nunchuck é indescritível. Todavia...
... a resolução baixa não é nem um pouco atrativa em televisores modernos :(
Porém, eu nunca havia tido um videogame "do momento". Eu sempre estive gerações atrasado, e o Xbox One foi a minha primeira experiência com um console atual. Claro, eu já havia jogado o PlayStation 4 e o Wii U (recente na época)  na casa de amigos, contudo esse One seria meu, e eu teria todos os prazeres e responsabilidades que envolvem a aquisição de um videogame novo. Prioridades surgiram, acabei vendendo o meu Wii e o meu Super Nintendo (decisão dolorosa, devo acrescentar). Mas sabe, foi uma boa decisão: o único game que ainda jogava era o Resident Evil 4: Wii Edition, e o Xbox One também possui uma excelente versão dele, remasterizada com resolução 1080p e 60 quadros por segundo. "Faminto" por novidades, embarcar em jogatinas no One foi longe de ser um esforço. Bom, vamos às preliminares :P

Despindo o videogame

O foco da postagem é apresentar o Xbox One Sexy, modelo Slim lançado tempos depois que também adquiri (explicarei melhor a razão nos parágrafos seguintes). Porém, quase todas as informações podem ser aplicadas também ao modelo original do Xbox One (vou chamá-lo de Fat), exceto quando eu disser o contrário. E dedicarei os próximos parágrafos inteiros a detalhar essas poucas diferenças. Todos prontos?

Os dois "Xboxes One" são muito parecidos. O Xbox One X, lançado depois desses dois modelos, é que oferece a maior diferença em cavalos de potência, como jogos em 4K de verdade (nada de técnicas como checkerboarding do PS4 Pro, que é eficiente, porém não apresenta avanços tecnológicos verdadeiros). Entretanto, como não possuo um TV com definição 4K e nem interesse em investir grandes quantias em um videogame, vou me focar nos dois modelos com preços mais acessíveis. Há algumas diferenças "indiscretas" entre os modelos Fat e S: a primeira delas é o tamanho. O Xbox One S é 40% menor, como você pode conferir na ilustração abaixo:


A segunda é o consumo de energia: segundo a Eurogamer, o consumo máximo registrado para o S foi de 79W e para o Fat, 109W. Terceira: o S possui suporte ao UHD Blu-ray, recurso ausente até mesmo no PS4 Pro. Quarta: suporte ao HDR, tecnologia presente em algumas TVs que permite uma maior distinção entre tonalidades. Quinta: suporte ao 4K por meio de um eficiente recurso de upscaling. E sexta (e mais importante): o modelo S possui um hardware melhorado, garantindo ligeiros ganhos de performance (3-10 frames por segundo) em jogos não são tão bem executados no modelo Fat. Comparem os números:


Xbox One S
Xbox One
CPU ->
1.75GHz AMD Jaguar octa-core
1.75GHz AMD Jaguar octa-core
GPU ->
12 Unidades computacionais
12 Unidades computacionais
GPU Clock ->
914MHz
853MHz
Largura da banda ESRAM ->
219GB/s
204GB/s
Performance computacional ->
1.4TF
1.31TF

É importante acentuar que vários problemas de performance do Fat foram corrigidos por atualizações via software, porém alguns jogos (como Rise of the Tomb Raider e The Witcher 3) tiram proveito das sutis melhorias do hardware do S, oferecendo uma experiência ainda melhor. Muitos dizem que o Xbox One S é mais barulhento do que o original, mas há um consenso de que o S não é apenas uma versão menor do Xbox One, mas também um relançamento revisado e aprimorado. As razões que me fizeram substituir o meu Fat, porém, não foram nenhuma dessas que descrevi acima, e sim um acidente elétrico. Portanto, se nenhuma das vantagens citadas for interessante o bastante para você e seus cuidados com o videogame forem maiores que os meus, dificilmente irá considerar a troca dos modelos como uma vantagem.

Dentre os destaques do Xbox One, cito a sua excelente dashboard, que executa mais de uma aplicação paralelamente e sem problemas de performance. É muito louco! Você pode pausar o jogo, abrir um outro app e depois voltar a ele sem precisar encerrar nada. É tudo muito rápido e bem otimizado. Alguns usuários apontam que essa seria a causa de alguns dos jogos do inicio da vida do console apresentarem performances inferiores se comparadas com as da concorrência (que também possui números ligeiramente melhores em termos de hardware), porém a desvantagem foi sendo reduzida e hoje podemos dizer que ela quase não existe, salvo raras exceções.

Minha dashboard! O "safado" do CyberWoo está 35 pontos na minha frente!!! ARGHHHH
É comum ouvirmos/lermos que os jogos em geral sempre apresentam desempenhos melhores no PlayStation 4, e que a maioria dos jogos "roda" em resolução de 900p, mas essa é uma falácia que envolve uma questão bastante relativa e confusa. Como citei acima, ela se aplica realmente à leva de jogos iniciais do Xbox One, como o Tomb Raider: Definitive Edition (lançado em 28 de Janeiro de 2014) que não apresenta a opção de de framerate "desbloqueado" e executa algumas cutscenes em 900p. Entretanto, é importante ressaltar que estamos falando de um título de quase 6 anos atrás, e que todo o restante do jogo é executado em 1080p. A própria versão para PlayStation 4 não consegue manter a taxa de quadros em 60fps se a opção de framerate "desbloqueado" estiver ativada, apresentando um desempenho bastante variante e que por vezes se aproxima dos 30fps. Por essa mesma razão, foi mantida a opção de bloqueio em 30fps como na versão do One, para todos os que buscam uma performance estável.

O próprio Shadow of the Tomb Raider, executado em resolução 900p no Xbox (com um excelente efeito de anti-aliasing temporal), apresenta uma quantidade maior de elementos na tela se compararmos com a sua contraparte no PS4, que prioriza a execução em 1080p (e também entrega um excelente resultado). Isso comprova que a resolução de um jogo não é sempre sinônimo de esforço de otimização ou poder de hardware, e nem deveria ser considerado o aspecto mais importante para esse tipo de análise. As decisões de desenvolvedores visam entregar a melhor experiência possível para cada plataforma, muitas vezes priorizando diferentes critérios de qualidade.

Uma das desenvolvedoras japonesas mais antigas pode ser citada como exemplo de excelência nesse sentido: Capcom. Todos os jogos da franquia Resident Evil lançados e relançados para PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch apresentam praticamente o mesmo desempenho em todas as plataformas, sempre tentando extrair o máximo de cada um delas. Em alguns casos o PS4 levou vantagem e em outros o One, mas em todos eles os desenvolvedores se esforçaram em apresentar o máximo de cada videogame.

Atrativos de tirar o fôlego

Saindo de uma polêmica e entrando em outra, cito o excelente catálogo de jogos do Xbox One. Muitos criticam a ausência de lançamentos (principalmente japoneses) que acabam aparecendo com mais frequência no PlayStation 4, entretanto a situação mudou e continua a mudar, mesmo com o anúncio do novo Xbox Series X. Yakuza 0, Yakuza Kiwami, e Yakuza Kiwami 2 por exemplo estarão disponíveis para Xbox One nesse começo de 2020, e vão direto para o Gamepass. Aliás, me esqueci de apresentá-lo a vocês: o Gamepass é um serviço de assinatura mensal semelhante ao Netflix que dá acesso a um catálogo de jogos em constante atualização. Por gosto pessoal (e falta de tempo) eu ainda não assinei e por isso não detalharei mais, porém é fácil achar análises de usuários extremamente satisfeitos com ele.

Até hoje fico boquiaberto com a direção de arte do Rise of the Tomb Raider.
A coletânea Rare Replay, exclusiva do Xbox One, conta com quase todos os clássicos da Rare (com exceção da franquia Donkey Kong que pertence à Nintendo). Que tal jogar Perfect Dark e Banjo-Kazooie em 1080p e 60fps? :)
Outro trunfo do videogame é o seu recurso (ou serviço) de "retrocompatibilidade" (a palavra não existe em nossa língua) com jogos de Xbox e Xbox 360. Infelizmente a Microsoft já anunciou o encerramento de atualizações no catálogo de jogos compatíveis, porém já podemos contar com aproximadamente 600 títulos, e para jogá-los basta adquiri-los na loja virtual da Microsoft ou simplesmente inserir um jogo de Xbox 360 ou Xbox  no console e esperar o seu download terminar. Isso acontece porque o Xbox One possui a arquitetura x86, que não é a mesma do Xbox 360 (PowerPC). Para a mágica acontecer, uma equipe talentosa e focada otimiza configurações (de forma hercúlea) em uma virtualização do Xbox 360, para cada um dos jogos. Como benefício, eles ainda apresentam melhorias de performance (como resoluções mais altas e desempenhos mais estáveis) ao serem executados no One, mesmo nos modelos Fat e S.

O exato momento em que venci a dupla Ornstein e Smough, responsável pela desistência da jogatina de Dark Souls de inúmeros jogadores.
Talvez você não tenha interesse em jogos antigos e queira ir direto para a nata das novidades, mas para quem não tem tanta pressa, a "retrocompatibilidade" é um dos melhores e mais enriquecedores extras do videogame. Não a toa, finalmente joguei The Witcher 2 (Xbox 360) de forma digna (a versão para PCs é um pouco mal otimizada) e ele se tornou um dos meus jogos favoritos de todos os tempos.

O momento hilário de The Witcher 2 em que Geralt encontra um "assassino" que tentou se amortecer no feno...

Rede e controle de encher as mãos

A Xbox Live Gold dispensa apresentações: o serviço, que permite aos jogadores se conectarem e jogarem juntos, é referência de qualidade em quase todos os seus aspectos. Além da rede da Xbox Live ser extremamente estável, o jogador ainda desfruta de um perfil próprio com gamertag, conquistas (achievements) para seus jogos e um registro de suas pontuações, chamado de gamerscore. Para adquiri-lo é necessário pagar uma mensalidade, que dá ainda acesso a descontos exclusivos (Deals with Gold) e a dois 2 jogos de Xbox One e 2 jogos de Xbox 360, de forma totalmente gratuita (Games With Gold). Caso a grana esteja curta, não se preocupe: você ainda poderá jogar seus jogos normalmente sem desfrutar dos benefícios do multiplayer on-line.

Os controles do One aprimoram tudo o que havia de bom no joystick do Xbox 360 (dito como "perfeito" para jogos modernos), apresentando uma qualidade bem acima da média. O direcional do seu antecessor era alvo de críticas (principalmente com jogos antigos), e a Microsoft ouviu cada uma delas, trazendo um novíssimo direcional semelhante aos que estamos acostumados em consoles da Nintendo. Seu tamanho é adequado a todos os tipos de polegares, e nos meus testes com Street Fighter 30th Anniversary Collection, pude comprovar que suas respostas são perfeitas! É o controle ideal para todos os tipos de games, agradando também os amantes de jogos de luta da era 16-bits.


Talvez a última polêmica envolva o uso de pilhas no controle. Por padrão, o controle do Xbox One não acompanha uma bateria (que pode ser adquirida separadamente) e sim duas pilhas Duracell. Após o término e descarte delas, o jogador que não quiser comprar pilhas com frequência terá que adquirir um par de pilhas recarregáveis (e um carregador caso não esteja incluso no pacote). Com exceção do custo extra, não vejo problema algum nesse aspecto, pois posso adquirir a minha marca de pilhas favoritas, utilizar um cabo no controle (caso não tenha nenhum par de pilhas carregado à mão) e principalmente, não vou precisar me preocupar com a morte da bateria daqui alguns anos. Porém, muitos apontam o uso de pilhas como um defeito imperdoável, principalmente por diminuir a praticidade que a bateria interna oferece. Faça as contas dos pontos positivos e negativos e tire suas próprias conclusões.

SIM, AS BATERIAS DE XBOX ONE EXISTEM MESMO!!!

Os finalmentes

Bom, eu ainda precisaria falar de outras vantagens do Xbox One, como o Xbox Play Anywhere, Kinect (que agora é vendido separadamente), ou ainda dos seus excelentes exclusivos como Halo, Gears of War e Killer Instinct, mas vou deixar isso para outras pessoas que puderam aproveitar melhor cada uma delas e também compartilham suas opiniões na internet. Estou extremamente satisfeito com o meu Xbox One Sexy, e recomendo o aparelho a todos que pensam em adquirir um videogame novo para conferir uma excelente biblioteca, que inclui inúmeros títulos do próprio, jogos de Xbox e Xbox 360 e ainda jogos de lançamento, mesmo que o seu sucessor já tenha sido anunciado. Boa jogatina! E me adicionem na live: homaodeferro :)

E é isso aí.

2 comentários:

  1. Eu não poderia discordar, creio que você apontou diversos pontos importantes que tornam o console Xbox One uma excelente opção. Olha só, tô na sua frente, finalmente tô na frente de alguém, porque todo mês fico lá para trás hahahaha!

    Eu sou um feliz usuário de Xbox e não o trocaria tão cedo, principalmente por conta do custo benefício

    ResponderExcluir
  2. Em termos de jogos, confesso que os exclusivos do Playstation 4 me atraem mais, mas a Microsoft tá caprichando tanto nos serviços e afins que acho que se tivesse que escolher eu iria de Xbox One. E pelo que Sony e MS vêm dizendo sobre a próxima geração, o papo da MS tá colando melhor comigo também.

    ResponderExcluir